uma mulher segurando sua barriga como se estivesse com dor, o desenho de um estomago colorido em vermelho esfumaçado, com os dizeres: Saiba como o estresse afeta a digestão?

Saiba como o estresse afeta a digestão?

Data de publicação: 19/04/2019 00:00:00
Categoria: Dicas de Saúde
O estresse pode causar uma variedade de problemas gastrointestinais, incluindo cólicas, inchaço, inflamação e perda de apetite. Descubra como reduzir os níveis de estresse para proteger a saúde intestinal.

Cérebro e intestino estão em constante comunicação, e quem já sentiu “borboletas no estômago” sabe que o estresse, e sentimentos como a angústia, a ansiedade e a irritação podem afetar o sistema digestivo.

Controlado em parte pelo sistema nervoso central no cérebro e na medula espinhal, o intestino possui sua própria rede de neurônios no revestimento do sistema gastrointestinal, conhecido como sistema nervoso entérico ou intrínseco. Esse sistema é tão importante e influente, que chega a ser considerado como um “segundo cérebro” por alguns pesquisadores.

Esse sistema nervoso é responsável pela deglutição, pela liberação de enzimas, e categorização de alimentos, e o estresse pode afetar a realização desses processos.

A reação do corpo ao estresse está conectada aos mecanismos de resposta a situações ameaçadoras, que preparam o corpo para lutar ou fugir. Assim, quando esse sistema é ativado, desencadeia reações como a aceleração da respiração e dos batimentos cardíacos e alterações na pressão arterial.

O cortisol, hormônio liberado para tornar o corpo alerta, provoca alterações fisiológicas que podem afetar o sistema digestivo, causando espasmos no esôfago, aumentando a quantidade de ácido no estômago, provocando enjoo, diarreia ou constipação. Em casos mais sérios, pode reduzir a quantidade de sangue e oxigênio enviados ao estômago, causando cãibras, inflamações ou desequilíbrio das bactérias intestinais.

Outro efeito do estresse no organismo é piorar desordens intestinais já existentes, entre elas a Síndrome do Intestino Irritável (SII), a Doença inflamatória intestinal (DII), as úlceras pépticas e a Doença do refluxo gastroesofágico (DRGE). Por isso, é importante encontrar soluções para controlar o estresse e proteger o organismo dos seus efeitos.

Uma das melhores maneiras de gerenciar o estresse e manter uma digestão saudável é a realização de atividades físicas. A prática de esportes e outras modalidades de exercícios alivia a tenção e libera endorfinas – substâncias que agem como analgésicos naturais e podem melhorar o sono e aliviar o estresse.

Aprender a afastar pensamentos negativos ou obsessivos e focar em pensamentos positivos é uma forma de aliviar o estresse. Nesse sentido, a terapia comportamental cognitiva (TCC) pode fornecer técnicas e ferramentas para melhorar a qualidade de vida, reduzindo sinais de depressão e ansiedade.

O cortisol, hormônio do estresse, também aumenta o apetite e pode desencadear transtornos alimentares. Porém, os próprios alimentos podem ser utilizados no combate ao estresse e à ansiedade. Alimentos como o salmão, as amêndoas, e as frutas cítricas podem melhorar o humor, ajudar a gerenciar os níveis de cortisol e reduzir a pressão arterial, de acordo com uma pesquisa publicada na revista Scientific Reports.

Mente e corpo entram em conexão nas poses do yoga, que exigem concentração e uso de técnicas de respiração. De acordo com pesquisas, essa atividade física pode reduzir a pressão arterial e a frequência cardíaca, além de diminuir o estresse, a ansiedade e a depressão.

A meditação e exercícios de atenção plena podem ajudar na concentração e a alcançar a calma. Praticar esses exercícios e a autorreflexão pode reduzir os níveis de estresse, de acordo com um estudo publicado na The Lancet Public Health.

Conhecer os prazos, estabelecer objetivos, planejar e evitar a procrastinação são passos para melhorar o gerenciamento de tempo e reduzir o estresse. Conseguir manter a vida e as tarefas cotidianas organizadas pode liberar mais tempo para o autocuidado e evitar crises de estresse, ansiedade e desmotivação.

Fonte:
Tradutora e Redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella

  • Gostou? Compartilhe: