Blog

TOC: como identificar o Transtorno Obsessivo Compulsivo? SalutemPlus

TOC: como identificar o Transtorno Obsessivo Compulsivo?

Data de publicação: 14/06/2018 14:46:00
Categoria: Doenças
  • Compartilhar:

Conviver com o transtorno obsessivo-compulsivo significa mais que verificar repetidas vezes se a porta foi trancada, se a carteira está na bolsa ou lavar as mãos ao chegar em casa. As pessoas que sofrem com o TOC vivem com obsessões e compulsões que podem atrapalhar o cotidiano e os relacionamentos.

Pensamentos obsessivos incômodos e hábitos compulsivos são sintomas da doença que tende a tornar-se mais intensa com o passar dos anos. Os primeiros sintomas aparecem, em geral, na infância ou na juventude, e podem progredir a ponto de levar à depressão.

De que tipo de obsessões estamos falando?
A necessidade de organização e simetria, a ansiedade por limpeza e o medo de contaminação, a preocupação em descartar coisas sem valor e realizar rituais que dão a sensação de proteção contra pensamentos perturbadores são as obsessões mais comuns no TOC.

Ao preocupar-se com os pensamentos incômodos e repetitivos – como o de contaminação por bactérias, o paciente que sofre com o transtorno-obsessivo compulsivo pode lavar as mãos em excesso, tomar banhos muito demorados e limpar os ambientes compulsivamente. Outras ações comuns são reordenar objetos exaustivamente, acumular materiais desnecessários, e repetir palavras, números e frases.

Quais são os sinais do TOC?
Muitas vezes, as pessoas que sofrem com o TOC têm vergonha de buscar ajuda. Ainda assim, os hábitos compulsivos deixam alguns sinais, como as mãos ressecadas pelo excesso de higienização, o medo que essas pessoas podem ter de tocar outros indivíduos ou superfícies em locais públicos, a verificação excessiva de trancas e fechaduras, a repetição de rituais aparentemente sem sentido e tantos outros.

O estresse gerado pela necessidade de realizar determinados rituais também pode ser um sinal do TOC, o que pode ser percebido desde a infância, sob a observação de professores, por exemplo. Outros sinais que podem ser percebidos ainda na escola são os problemas no desenvolvimento acadêmico, a dificuldade de interagir com outras crianças e o isolamento.

Quais são as causas desse transtorno?
As causas do transtorno obsessivo-compulsivo não são conhecidas. O histórico familiar e fatores ambientais parecem estar relacionados à esse tipo de doença. Aqueles que são afetados pelo TOC estão mais propensos a terem outros transtornos de ansiedade, depressão e fobias.

Como o TOC é diagnosticado?
O prazer em manter ambientes organizados ou o zelo pela higiene não são necessariamente sinais de TOC. No entanto, pensamentos obsessivos e incômodos ou a necessidade de realizar rituais que interferem na qualidade de vida são indícios da doença.

É de extrema importância buscar avaliação médica, para que o TOC seja diagnosticado e tratado de forma adequada. Em geral, as pessoas que têm esse distúrbio são tratadas com uma combinação de remédios e terapia comportamental, que pode ajudar os pacientes a tomarem consciência do transtorno e tentar lidar com ele de maneira mais saudável.

Fontes

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim