Blog

Alergias: como minimizar e até evitar o surgimento da doença SalutemPlus

Alergias: como minimizar e até evitar o surgimento da doença

Data de publicação: 31/05/2018 00:00:00
Categoria: Doenças
  • Compartilhar:

As alergias são uma resposta do organismo para substâncias estranhas, os alérgenos. Mesmo em contato com elementos comuns, como pelo de animais, o corpo pode entender que há risco de infecções, ou de outras ameaças, e reage com coceiras, espirros, tosse e outras reações.

A tendência às alergias, em geral, é genética, ainda que as alergias específicas não sejam transmitidas de pai para filho. Algumas das causas mais comuns de alergias são alimentos, medicamentos, plantas, picadas de insetos e pelos de animais.

O que é que causa alergia?
De acordo com uma lista do Colégio Americano de Alergia, Asma e Imunologia, os causadores de alergia mais comuns: pelos de animais, ácaros, baratas, penicilina, trigo, nozes, leite, mariscos, ovos, picadas de insetos, plantas, látex e metais.

Quais as diferenças entre resfriados e alergias?
Por terem sintomas em comum, pode ser difícil distinguir resfriados e alergias. Porém, alguns sintomas são mais comuns a cada uma das enfermidades. Fadiga, dores e febre são mais comuns em casos de resfriado, enquanto alergias causam coceira nos olhos e na pele, por exemplo.

A época do ano também pode ser uma forma de distinguir as duas enfermidades. Enquanto os resfriados são mais comuns no outono e no inverno, as alergias predominam na primavera e no verão. A duração dos sintomas também é um sinal importante. Resfriados têm sintomas que duram pouco mais de uma semana, já as alergias só desaparecem quando o contato com o alérgeno é encerrado.

Como saber se tenho alergia?
Existem diversas formas de se diagnosticar alergias. Na consulta médica, a descrição dos sintomas e o exame físico podem ser o suficiente. Em outros casos, o profissional da saúde pode solicitar que seja feita uma avaliação pelo processo de eliminação, quando excluem-se alguns alimentos da dieta do paciente e os sintomas são avaliados novamente.

Outra forma de diagnóstico é o teste de pele, em que alérgenos são colocados em contato com o paciente. Reações como vermelhidão e inflamação indicam a que tipo de substância o paciente é alérgico. Há ainda o teste de sangue, no qual também é possível detectar anticorpos causadores de alergia.

Quais são os tipos de alergia?
As alergias podem ser causadas por diversos fatores e se manifestar em diversas partes do corpo. As alergias alimentares podem causar sintomas como inchaço, náusea, urticária e fadiga, que se apresentam após a ingestão do elemento alérgeno.

As alergias sazonais podem se parecer com um resfriado, atingindo as vias aéreas e os olhos. Já os casos de alergias graves causam a anafilaxia, que pode levar a dificuldades respiratórias, tontura e perda de consciência.

Os casos anafiláticos são emergências e devem ser levados à atenção médica imediatamente.

Nos olhos, a alergia mais comum é a conjuntivite - que é transmitida pelo contato. Ela causa irritação, vermelhidão, coceira e lacrimejamento. As alergias do nariz, chamadas rinites, são causadas principalmente por ácaros e poeira doméstica. Elas causam espirros, coriza e coceira.

Nos casos de rinite, até mesmo o olfato e o paladar podem ser prejudicados, além da propensão ao desenvolvimento de sinusite, amigdalite, otite e outras inflamações. A asma e a bronquite também são alergias do sistema respiratório, também desencadeadas por reações a alérgenos, e causam cansaço, falta de ar, chiado no peito e tosse.

Como evitar alergias?
A forma mais fácil de se evitar alergias é diagnosticar a causa da irritação e evitar o contato com o alérgeno. Além disso, é recomendável manter os ambientes arejados, móveis limpos, trocar roupas de cama com frequência e utilizar capas protetoras para travesseiros e colchões.

Como são tratadas as alergias?
O tratamento para alergias é geralmente feito com medicamentos anti-histamínicos, que tratam apenas os sintomas. Por isso, é importante procurar um médico antes de tomar qualquer medicamento, já que é necessário saber qual a real causa dos sintomas antes de tratá-los.

Fontes:

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim