Blog

Transtornos alimentares: Anorexia e Bulimia SalutemPlus

Transtornos alimentares: Anorexia e Bulimia

Data de publicação: 12/04/2018 15:58:00
Categoria: Doenças
  • Compartilhar:

Corpos magérrimos que para muitos é tido como “padrão de beleza” podem esconder um histórico de males graves, como os distúrbios alimentares. Silenciosos, eles podem afetar pessoas em todas as idades e causar sérios problemas de saúde, ou até mesmo levar à morte.

Entre os transtornos alimentares estão a anorexia e a bulimia. Com sintomas semelhantes, as pessoas que enfrentam essas doenças têm comportamentos alimentares diferentes. Se em um caso a redução severa da alimentação causa a perda de peso, no outro é a ingestão excessiva de alimentos, seguida de vômito ou consumo de laxantes, que caracteriza o transtorno. 

Estudos da Associação Nacional de Anorexia Nervosa e Distúrbios Associados dos Estados Unidos indicam que as mulheres são mais afetadas pelos distúrbios alimentares. Já no Reino Unido, uma pesquisa do Serviço Nacional de Saúde apontou um aumento de 70% na taxa de homens com distúrbios alimentares nos últimos anos.

Quais são as características dos distúrbios alimentares? 
A insatisfação com a forma do próprio corpo, a baixa autoestima, e uma preocupação intensa com as calorias dos alimentos são algumas características das pessoas que sofrem com os distúrbios alimentares.

Nos casos de anorexia, é comum a perda de peso severa, a insônia, a desidratação, a fraqueza e a fadiga, além de tonturas e desmaios.
Alguns hábitos comuns às pessoas com anorexia podem ser: evitar as refeições, mentir sobre a quantidade e a periodicidade da alimentação, falar mal sobre o próprio corpo e exercitar-se exageradamente, mesmo após as refeições mais leves.

Já para as pessoas com bulimia, a adoção de medidas extremas para evitar o ganho de peso, como forçar o vômito após as refeições, tomar laxantes ou diuréticos, é a principal característica do transtorno. Assim como na anorexia, as pessoas com bulimia tendem a ter uma preocupação constante com a aparência, mas ao contrário dos anoréxicos, comem em demasia e, geralmente, vão ao banheiro logo após as refeições. Por isso, os pacientes desse transtorno tendem a ter uma grande variação de peso.

Em ambos casos, a baixa autoestima, o isolamento social, a depressão, a ansiedade e as mudanças bruscas de humor podem ser percebidos em quem enfrenta o problema.
Quais são as causas dos distúrbios alimentares?
Não há um consenso entre especialistas sobre quais seriam as causas dos transtornos alimentares, porém, há maior probabilidade de desenvolvimento desses distúrbios entre as pessoas que tenham casos de anorexia e bulimia na família.

Traumas psicológicos, ansiedade e depressão também podem levar a transtornos alimentares, assim como a baixa autoestima e a pressão social por um corpo perfeito.

Como são tratados os distúrbios alimentares?
Em geral, medicamentos combinados com terapia comportamental cognitiva são utilizados para tratar casos de bulimia e anorexia.

É importante destacar que esses transtornos podem se transformar em casos fatais, se não tratados de maneira correta. Algumas consequências dos hábitos alimentares extremos são a falência renal, a insuficiência cardíaca e as úlceras.

Como ajudar alguém com transtornos alimentares?
Pode não ser fácil perceber os sintomas dos transtornos alimentares nas pessoas mais próximas, já que elas tendem a esconder os hábitos extremos de alimentação e mentir sobre como se sentem. Assim, caso haja suspeita de que alguém precisa de ajuda, é importante garantir que a pessoa não se isole e que exista um ambiente seguro no qual ela pode falar sobre o assunto.

A abordagem deve ser feita com calma e privacidade. Apoio e solidariedade, além de paciência, são as palavras chave para esse tipo de conversa. Sobretudo, deve-se incentivar que a pessoa procure ajuda médica.

Se você enfrenta problemas com sua alimentação, procure um profissional da saúde. Existem maneiras saudáveis de alcançar a forma desejada, por meio de uma alimentação balanceada, da prática de exercícios físicos e da aceitação do próprio corpo.

Fontes:

Tradutora e redatora: Daniela Souza
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim