Blog

Colite ulcerativa: 5 dicas para ajudar quem sofre com essa doença Ligado na Saúde

Colite ulcerativa: 5 dicas para ajudar quem sofre com essa doença

Data de publicação: 13/09/2018 14:20:00
Categoria: Doenças
  • Compartilhar:

A colite ulcerativa é uma doença inflamatória crônica do intestino que causa inflamações e ulcerações (feridas) no aparelho digestivo, atacando o revestimento mais profundo do intestino grosso (cólon) e reto.

Um diagnóstico de colite ulcerativa afeta não apenas a pessoa com a doença, mas também os cuidadores, amigos e familiares. Doenças agressivas como a colite ulcerativa também costumam provocar estresse , ansiedade e depressão - emoções negativas frequentemente provocadas pelos sintomas físicos e emocionais associados à doença.

Por isso, é de extrema importância que todos os envolvidos estejam cientes dos riscos e dos possíveis sintomas que podem surgir com o passar do tempo, os desafios a serem enfrentados são complexos e costumam ter longos prazos de duração.

1- Se antecipe aos sintomas da colite ulcerativa
Os sintomas da colite ulcerativa variam amplamente de pessoa para pessoa. Alguns indivíduos podem ter sintomas leves ou longos períodos de remissão (fase de uma doença onde os sintomas não se manifestam), durante os quais seus sintomas não restringem as atividades diárias do paciente.
Já em outros momentos, ou em pessoas com quadros mais graves da doença, os sintomas da colite ulcerativa podem se tornar extremamente angustiantes. O indivíduo pode sofrer com:

  • Diarreia severa com sangue;
  • Sangramento retal;
  • Perda de apetite;
  • Fadiga.
Esses sintomas podem surgir sem aviso prévio como também desaparecer rapidamente.

A partir do momento em que esses sintomas começam a ocorrer com maior frequência, o paciente tende a ficar mais fragilizado e constrangido, facilitando o surgimento de um quadro depressivo. Cuidadores e familiares precisam estar preparados neste momento para expandir o apoio emocional, motivando o paciente a continuar o tratamento da doença.

2- Fornecer suporte proativo contra a colite ulcerativa

Quando os sintomas de uma pessoa estão em remissão, é preciso ficar atento e observar os sinais de piora da doença e tomar medidas para evitar que eles ocorram. Ajude o paciente a fazer escolhas alimentares mais inteligentes evitando certos tipos de alimentos, tais como:

  • Oleaginosas e sementes, que podem irritar o trato gastrointestinal;
  • Bebidas gaseificadas, pois elas podem provocar o aumento dos gases intestinais;
  • Pipoca, pois os restos de milho podem ser difíceis de se digerir;
  • Derivados do leite, caso o paciente seja intolerante à lactose.
Tente encoraja-lo a manter um diário ou um registro de sua rotina alimentar e procure observar quais alimentos podem ser prejudiciais. Desse modo, é possível retirar ou acrescentar algum alimento de maneira mais precisa.

É possível também, ajudar o paciente a se planejar antes de sair de casa. Seja para uma corrida rápida ou para atender um compromisso mais demorado. Procure estabelecer rotas que facilitem o acesso à banheiros, ofereçam opções de alimentações adequadas e lugares para um descanso rápido.

3- Conheça outras formas de como a colite ulcerativa pode afetar a saúde
Em algumas pessoas, os sintomas da colite ulcerativa podem se manifestar fora do sistema intestinal. Estes são chamados de sintomas extra intestinais, e podem incluir dor nas articulações e inchaço.

Fique atento às possíveis mudanças na mobilidade física que ocorrem por causa doença. Em muitos casos, a dor nas articulações e a rigidez, podem ser tratadas com remédios e exercícios de alongamento.

A colite ulcerativa também pode causar uma série de lesões ou erupções cutâneas. Embora menos comum, também pode afetar o fígado, resultando em uma coloração amarelada da pele (icterícia), náuseas, perda de peso e coceira.

4- Riscos de câncer de Cólon
A probabilidade de alguém com colite ulcerativa desenvolver câncer de cólon depende do tempo que o indivíduo possui a doença e do quanto o cólon foi danificado durante este período. Estima-se que uma pessoa que convive com a colite ulcerativa há pelo menos 8 anos, tem chances elevadas de desenvolver o câncer. De acordo com um estudo apresentado na revista americana Gastroenterology, se todo o cólon foi afetado pela colite ulcerativa, o risco de um indivíduo desenvolver câncer de cólon é 32 vezes maior do que alguém que nunca teve a doença.

Como medida preventiva, a American Cancer Society recomenda que pessoas com histórico de doenças inflamatórias do intestino façam uma colonoscopia a cada dois anos após serem diagnosticadas com uma doença intestinal.

5- Cuidadores e familiares também devem tomar conta de si
Ser um cuidador ou parente próximo de alguém com colite ulcerativa requer paciência e compreensão, assim como ter conhecimentos necessários para ajudar o paciente a lidar com a doença. Esse desafio tem consequências físicas e psicológicas.

Por isso, é importante procurar grupos de ajuda especializados em colite ulcerativa e na doença de Crohn, para se orientar melhor e aprender a lidar devidamente com a situação.



Tradutor e redator: Gabriel Pinho 
Revisora: Paula Ávila
Designer: Raphael Alpoim
Diretor Geral: Geraldo Majella